De cache á cova

MAntunes - 2004/03/14

Visitei 7 mas só encontrei 3…

No Sábado fui verificar a minha "The (Imprisioned) Squirrel" e fazer a manutenção que me pareceu necessária depois de ter lido o log do "MCA".  Substituí todos os contentores imtermédios  assim, como os papéis com as coords.

No regresso, passei pela "Amália" para confirmar se está lá um TB – Fiquei na dúvida porque o último log referia ter sido lá colocado um TB mas a página da cache não o mostra. Está lá mesmo um TB. Em reposta a um mail que lhe enviei, o "cardiac" disse-me que não o consegue "colocar" na cache… Penso ir lá durante a semana para o apanhar e depois levá-lo para outra cache.

Hoje Domingo, efectuou-se a tão badalada "excursão" à Lapa do Médico, onde está a famosa "Six Feet Under". Foi uma excursão e Tortas! O passeio começou em V. N. Azeitão para um pequeno almoço de Tortas – São muito piqueninas… tive que comer 3, mas são muito boas! 🙂

Depois do grupo estar completo e as barrigas cheias de Tortas, seguimos para a zona de encontro, perto da Gruta de Sta. Margarida. Enquanto esperávamos pelo Claudio Cortez e pelo Alex, fomos verificar a minha cache "Cave of Sta Margarida". A Ana Rechena "turtle", a Catarina Rechena e o Paulo Sena (colega do Ricardo), aproveitaram para procurar a cache e conseguiram :-). Esta Gruta está uma lástima com o lixo que lá colocaram 🙁 Está a precisar de  um CITO.

No fim, fomos regressámos à zona de espera e como o Claudio ainda vinha em V. N. Azeitão, fomos até ao local onde o Pedro Cardoso sugere que se deixe as viaturas.

Chegados o companheiros que faltavam, vai de colocar capacetes, vestir roupas adequadas, fazer xixi… e começámos a subida da encosta até à entrada da gruta.

Chegados lá, começaram as exclamações: Quê? É por "ali" que temos que entrar!!? Umas benzidelas, umas mensagens ao Paulo Mateus e ao Pedro Cardoso – Só para estarem prevenidos para o caso de não darmos sinal até à hora do almoço – Não queríamos que arrefecesse…-, e começámos a descida até à gruta… ( Agora calo-me e deixo que sejam os outros, que foram lá pela primeira vez, a descrever a aventura 😉 )

Só quero referir que não ficou nenhum lixo lá dentro e que o Pauylo Sena parecia o "Homem Aranha" dentro da Gruta 😉

Depois de termos "renascido" e após termos telefonado às mulheres, aos sogros, aos colegas geocachers, às tartarugas, ao cão e ao gato… para dizer que tinhamos saído e estava tudo bem, descemos o monte em direcção aos carros e fizemos mais algum trash out – aqui encontrei um acessório interessante: Vejam as fotos do Rechena. 😉

Depois, começámos a despedir-nos uns aos outros  – infelizmente o Eduardo, filho do Ricardo, adoeceu e o Ricardo e sua família não puderam acomanhar-nos no almoço de Chôco e no resto dos meus planos para este Domingo. Por esse motivo, a minha mulher e o meu filho, preferiram ficar na cama "até ao meio-dia". O que me deu a "desculpa" para adicionar mais uma descrição de cache aos papéis que levava na mochila.

E, finalmente comecei "a trabalhar":

Windmill Route do MCA. Foi para onde me dirigi assim que "os vi pelas costas". Nesta cache, voltei aos meus bons tempos: Como ia de carro normal, deixei-o cá embaixo na estrada entre V.N. Azeitão e Palmela e fui por ali acima, a pé, pelo meio das silvas, campos lavrados, etc… até atravessei duas estradas de terra batida. Cada uma em cota diferente da outra. Deviam andar por ali a serpentear. Mas para mim, a percurso mais rápido entre dois pontos é a linha recta e como não estava ali o "Lobo"…

Escusado será dizer que no próximo Domingo, não consigo apanhar lixo nenhum, no CITO, porque me doem as pernas…  😉  

Nesta cache, já lá tinham estado dois outros geocachers durante a manhã mas eles que se acusem, se quiserem. 🙂

Depois, segui para a cache do Orlando Rebelo, Entre as Ruínas e o Mar, em Tróia.  Foi o contraponto: Uma cache fácil e com um percurso repousante, os passarinhos a cantar, a água do mar a enrolar na areia, a praia ali mesmo ao lado… relaxante. É pena as Ruínas Romanas estarem fechadas. Devem estar a construir as ruínas… 😉 Esta cache, parece a do GreenShades, "The Bear Treasure", apenas com um percurso mais curto. Também já cá tinham estado os mesmos outros dois geocachers que estiveram na Windmill Route – Ando a segui-los.

Por fim, dirigi-me para Alcácer do Sal para tentar encontrar a Manjapão. Outra tareia. Não é nada fácil de encontrar mas, por isso mesmo, torna-se um desafio encontrá-la.

Nesta, não estiveram cá os outros dois.

E prontos! Visitei 7 mas só encontrei 3.

Não levei o Snoopy por causa da Gruta e, também,  o percurso que fiz de e para a "Windmill Route", não dava para ele. Domingo levo-o para o CITO.

2 responses so far ↓

  • 1 DSAzevedo // Mar 15, 2004 at 12:16

    Não faças isso ao cão, pá!
    Se não o queres eu posso ficar com ele, agora leva-lo para o CITO, não! Ao menos vai pô-lo num canil, que mal é que cão te fez?

    …nunca pensei…

  • 2 Lobo Astuto // Mar 15, 2004 at 13:34

    Já está a arranjar desculpas para não ir apanhar o lixito! 😉

Leave a Comment


Geocaching@PT 2008 · Powered by WordPress
Disclaimer · Contact Form
Stats: 35 queries in 0.183 seconds.