O Oculto à Vista e o Geocaching

danieloliveira - 2005/11/02

Já repararam nos sinais da prática do oculto em vários locais perto de algumas caches?
Gostaria de partilhar com vocês algumas das coisas mais “esquisitas/estranhas, fora do comum” que encontrei até agora nesta maluqueira do geocaching. Quero também que partilhem comigo e com todos algumas das coisas estranhas que já viram.

1.      Esta primeira foi na caçada à paleovulcano do MAntunes (GC9ACE). Fui lá com um colega meu, entretanto já reformado, e deixámos o carro no alcatrão e logo à entrada do caminho estava uma colecção de panos encarnados e pretos com montes de velas partidas e espalhadas por todo o lado. Também estavam uma data de grãos de milho e moedas de denominação pequena espalhados por cima destes. Havia também vestígios de um liquido escuro, já seco, que não pude confirmar ser sangue ou não porque tinha-me esquecido do meu kit CSI em casa (vejam a foto). Terá sido algum ritual para facilitar a busca da dita cache ou foi alguém que não a encontrou e queria tratar da saúde ao MAntunes :)?

2.      A segunda deu-se no campo de lapiás do PH (GCHJ8R) ou no campo do limite da perversidade uma vez que só há símbolos fálicos para onde quer que se olhe (ehehehe :)). Logo à entrada do caminho, lá estava uma tigela com cerca de 30 cm de diâmetro, mais uma vez cheia de um liquido escuro, já seco, com uma vela no meio (tipo bolo de anos) e uma garrafa de cachaça.  Afastado cerca de 2.5 m, estvam os restos das penas de uma ave (galinha?) e umas manchas de sangue.

3.      Na caçada do lunchtime gang com o BTrodrigues à Vinhos da Arealva do GlorfindelPT & Elektra (GCQKTV) lá estava um grande pentagrama escarrapachado no chão. Aquilo deve ter sido algum ritual para colocar uma praga aos nabos que deixaram ali tantas garrafas e pipas de vinho VAZIAS!

4.      Na última caçada (muito atribulada, devo dizer que pensei que tinha que pedir um GPSr novo ao Pai Natal … bem, lá em casa tem de ser à Mãe Natal) à Dragon’s Lair do lynx pardinus (GCR2PG), debaixo de uma pedra plana, encontro um saco a envolver outro saco (não, não era a cache). Dentro do saco, encontro dois discos de cimento finos, no meio dos quais se encontravam 2 folhas de papel vegetal. No meio desta sandes, havia montes de fragmentos de vidro e um bilhete que dizia: ”isto é para o José Batista para que fique bloqueado e não me faça mais mal no serviço.” Voltei lá uns dias depois armado de máquina fotográfica para fotografar a ocorrência mas o remexer por outros cachers ou animais e a chuva que caiu durante dias, deram cabo do bilhete.

Existem mais ocorrências que já testemunhei mas estas chegam para dar uma indicação. Para os morcegos que gostam de caçadas nocturnas vejam lá não interrompem alguma coisa parecidas com estas …..:)eheheh:)!

Daniel de Oliveira

7 responses so far ↓

  • 1 ricardorsilva // Nov 2, 2005 at 12:42

    Sempre que vou para a Serra estou à espera de encontrar qualquer coisa deste género.

    A única vez em que isso aconteceu foi na minha caçada à "Afloramentos Graníticos". Como estava distraído a olhar para o GPS, atravessei (literalmente) um belo aglomerado de rosas vermelhas, em círculo, à volta de uma série de rodelas de ananás com um charuto no meio. Quando ouvi as palavras "Já reparaste onde é que estás?", voltei para trás e (curiosamente), descobrimos uma maneira mais fácil e directa de subir o monte – terei sido positivamente influenciado pelo voodoo?

    E, claro, que há sempre aquelas caches a que apetece sacrificar um galo preto para ter a certeza que a conseguimos descobrir ("Where are you?", " ´ ", "DP5",…)

  • 2 btrodrigues // Nov 2, 2005 at 13:05

    Realmente. Boa iniciativa. Para além da ocasião que referiste na Arealva, e de na Granja dos Serrões, recentemente, ter encontrado um número obsceno de velas e penas de galináceo (estaria com a gripe?) lembro-me de, 2 ou 3 metros ao lado da cache do "Alto da Boa Viagem" ter encontrado uma medalha de S. Cipriano embrulhada em pano de veludo e enfiada dentro de uma caixinha de plástico.

    Spooky…

    E aquelas 21 almas penadas que por volta da meia noite de dia 1 andavam ali para os lados de Belém? 🙂

  • 3 bargao_henriques // Nov 2, 2005 at 14:05

    Além de umas cenas idênticas às que descreves, na minha cache da Granja dos Serrões, também encontrei-as também na "Petals around the rose", com a agravante que aí também estava um brinquedo qualquer, que o Tomás queria levar para casa… Nem sonhes!!!
    Sei que entretanto a coisa já se voltou a repetir, mas nem me lembro bem onde nem quando…

  • 4 Walrus // Nov 2, 2005 at 15:28

    …encontrei na Granja dos Serrões alguns vestigios.

    À parte disto, ainda não sonhava o que era o geocaching e encontrei também alguns vestígios nas imediações d´"A Cache na praia" (velas, rosas vermelhas, frascos de perfume vazios, fogueiras…)

    Na serra de Sintra, também é comum encontrar vestígios do género. Tenho um amigo meu que inclusivé, perto do Castelo dos Mouros, já avistou 3 senhores encapuzados (estilo monges) em fila indiana a altas horas da madrugada, qual culto maçónico…

    Eles andam aí… 🙂

  • 5 SUp3rFM // Nov 2, 2005 at 15:58

    Por acaso, nas nossas incursões de principiantes, demos "apenas" com gatos pelo caminho… Um morto na Vinhos da Arealva (acho que passámos por cima do pentagrama) e um vivo no Castelo dos Mouros. Infelizmente, qualquer um deles mostrou-se pouco simpático e não nos deram qualquer pista!

    Outras provas de bruxedo… só aquelas que levaram à criação de caches como a do Elevador de Sta. Justa e a Where are you! 😀

    Eles andem aí, andem, andem!!

    Hugo e Ana

  • 6 olharapo // Nov 3, 2005 at 22:21

    Quando estava a fazer a aproximação final à ´Petals around the rose´ cruzei-me com um ´coisa´ dessas… e logo em seguida deparei-me com o PH & Ca…
    Na altura só o conhecia das fotos dos logs e achei uma coincidência estranha… .
    Não fosse a boa impressão inicial e teria regressado a casa a achar a comunidade geocacher MESMO estranha…

    Agora sobre a quantidade dessas ´coisas´ de que falaram, acho que terá alguma ligação com o aumento da comunidade brasileira entre nós. Não vejam nesta opinião qualquer tom depreciativo, mas sabemos que por terras de vera cruz existem muitos cultos com manifestações que aos olhos portugueses se podem considerar estranhos…

  • 7 2 Cotas // Nov 4, 2005 at 11:35

    Realmente tenho encontrado coisas estranhas perto de algumas caches.
    Por exemplo, de com alguns pelos espetados no alcatrão perto da p´lica. Soube depois que eram pelos do peito do Garri, (Holla hombre!), por causa de ter estado algumas horas á torreira do sol esgravatando á procura da cache…

    Na Efigénia, á volta, dei com um regos paralelos, cerca de 1 cm de largura por 5 ou 6 de profundidade e que atravessavam a quase totalidade da aproximação na parte da fora do final túnel. Em casa soube que eram as marcas das unhas da maria!

    Em várias outras tenho também encontrado alguns vestígios de escalpes, joelhos, cotovelos, etc. Principalmente em zonas mais pedregosas e difíceis.

Leave a Comment


Geocaching@PT 2008 · Powered by WordPress
Disclaimer · Contact Form
Stats: 35 queries in 0.098 seconds.