57º Geo Meetup

strangedays - 2008/06/25

Lisboa, sexta-feira 13 de Junho de 2008

Era uma vez…

Depois de uma semana particularmente extenuante com bloqueios, greves e caos instalado em diversas actividades, nada como terminar a “dita” no conforto de uma confraternização de GC’s. Pelo menos foi essa a minha intenção, aparecer e conhecer esta comunidade “secreta” que nos fazem viver tão bons momentos.
Vou tentar relatar exactamente o que se passou.

Parte I – A Praxe

Ainda não tinha estacionado o cachemobile e já alguém (uma simpática menina) me nomeava para escriba do evento, assim tipo : – Olá, és o Strangedays, é a primeira vez que aqui vens por isso…tunga, foste nomeado para relatar o que aqui se passou, até já. Não havia necessidade, pois não coloquei o braço no ar, não tinha a T-Shirt de Geo-Maçarico (está a lavar, ups), não disse nada que motivasse tal severa punição. Não se faz, pronto ! Depois…os maçaricos não aparecem ! Ah pois é ! Se a complexa e rebuscada estratégia dos “meetup’s” passar por escolhersempre um maçarico, na secreta esperança que ele, em estado de profunda exaltação, teça rasgados elogios a tudo e todos, então…azarito, não vai acontecer. Aliás, o padrinho desnaturado Timearth deve ter uma assinalável quota de responsabilidade nesta “escolha”…grande traidor ! Como dizia o senhor “ Somos uma liberdade que escolhe…mas não escolhemos ser escribas (livres) “.

Parte II – A Entrada

Entrei, cada vez mais desanimado porque escrever não é bem o meu passatempo favorito. Se assim fosse, chamar-me-ia Aquilino, Fernando ou talvez Cesário. Agora Pinto, João Pinto só por analogia ao Fernão Mendes (já fizeram essa ?) ! Afinal de contas o conforto buscado neste encontro estava a afastar-se cada vez mais do propósito inicial. Quando assim é, há que afogar as mágoas numa bela ”comezaina”. Venha a lista, rápido. Apresentações feitas aos presentes e colou-se-me à mão (tipo cache difícil) uma lista de presenças, até ao momento. Para que saibam é o formulário MOD.GC 007/2006, uma coisa organizada, bem se vê. – McMoska, Acasim, Baleia e Finhota, RifKindsss, Timearth e Global Trekkers os FTF’istas do evento ( agarradinhos dos números, eheheheh). Conversas variadíssimas sobre temas da actualidade (que escutei com muita dificuldade), a nomeação do Obama, o tratado de Lisboa, o aumento dos combustíveis, o Euro…e de geocaching nada ! Mas será que estou no sítio certo ? O que se passa ? Venha a lista rápido, e finalmente, veio a lista.

Parte III – O Banquete

Li a lista e surpresa das surpresas, onde estão os magníficos hamburguers ? E as pizzas ? Combinados ? Saladas ? As Francesinhas (ups, não é aqui)? Perante a profusão de perguntas e o já com o caos instalado, acabei por ser informado que em homenagem às festas populares de Lisboa e em virtude de ser feriado, da ementa só constavam: – Caracóis, Entremeadas, Coiratos, Bifanas, Caldo Verde e “last but not least”…SARDINHAS ! Blargh ! Mas que mal fiz eu, afinal ? Uma verdadeira ignomínia ! Será por ser sexta-feira 13 ? Então mas isto é comida que se apresente perguntarão os leitores ? Depois de ter lido relatos fabulosos de grandes degustações aqui realizadas, chega à minha vez e só há petiscos ? Fiquei com vontade de fazer um DNF e abalar dali a correr em direcção ao Mac mais próximo. Foi um verdadeiro DNF culinário, enfim, a razão mais uma vez, sobrepôs-se à gula, e lá fiz o meu pedido mas sob protesto ! Nesta fase, chegam mais uns alegres convivas: – CP team (o team que não é da CP), JViajante e uma tropa de juniores, Bringer, Corvos, Truta (oi vizinho) Golden Team, KsBender, Kelux e Allhappy.

Parte IV – O Nevoeiro e as 4 amoras

Por esta altura, grossas e aromáticas colunas de fumo invadiam as mesas…as sardinhas estão prontas ! De ir às lágrimas ! Num ambiente digno de verdadeiro holocausto, alguns milhares de cascas vazias de caracoli soberbis amontoavam-se sobre as mesas, vitimas da sofreguidão de ávidos Geocachers esfomeados. A velocidade impressionante a que imperiais, bifanas, sardinhas, entremeadas e coiratos passavam pelas mesas fariam corar de vergonha alguns organizadores de arraiais típicos de Lisboa. Por esta altura a França, grande animadora deste meetup, enfardava 4 amoras dos holandeses. Uma coisa séria, pena não ter trazido os binóculos para observar o “écran gigante”. Entram na sala CLCortez, Mantunes, Johnny Bravo e Legolas 73, o encontro está completo (já não há caracóis, bem feita!).

Parte V – Relatório Minoritário

Eu tentei avisar mas não consegui que me compreendessem. Então escolhem para escriba do meetup o tipo mais surdo de Lisboa e arredores ? É que não ouvi nada do que foi falado. Tinha o aparelho completamente descarregado e só ouvia, estalidos e estática. Clic, BZZZZzzz, Clac… Coisas que acontecem, para a próxima prometo que levo as pilhas !

Parte VI – A procura

Que seria de um meetup sem a procura de umas caches nas redondezas ? Um arraial de descontentes, obviamente ! Lá fomos em grupo procurar: – O Cofre Forte, o Nimas, a Cache Esquisita e o Homem que diz adeus. Uma grande aventura com um super animado grupo ! E que belas figurinhas fizeram à procura das “ditas”. Só visto ! A cache da noite foi a última, um fenomenal “must” do geocaching ! Duas e tal da manhã, o fim de mais um fantástico encontro ! Afinal era só para despistar, o ambiente e os participantes foram espectaculares.

Grand Finale

Pronto a paródia terminou, este meetup não foi diferente dos demais, havia a comida, as conversas, as coins e TB´s e, penso eu, a amizade e convívio do costume.

Foi um enorme prazer partilhar estas horas convosco e até breve a todos !

JP/Strangedays but not this one !

9 responses so far ↓

  • 1 btrodrigues // Jun 25, 2008 at 16:04

    Esta é para quem apregoa que os artigos da praxe sobre os meetups são monótonos, desinteressantes e repetitivos.

    Parabéns pelo relato. Tomara que todos fossem como este.

  • 2 MAntunes // Jun 26, 2008 at 01:59

    “Tomara que fossem todos como este.” Isso significa que estás a dar razão a quem apregoou aquelas coisas …’horríveis’. 😉

    Bem, mas este relato está realmente diferente e agradável de ler. Quanto aos outros, nem sempre toda a gente tem a disposição ou a fluidez de escrita para fazer de um relato circunstacial o texto apelativo e agradável como este. Isto não significa que os outros texto não cumpram a sua função, que é a de manter viva a tradição dos meetups de Lisboa.
    Alguma vez os meetups se teriam imposto como um hábito e uma tradição se não fossem os textos a relatá-los, nem que fosse a divulgar apenas a lista de presentes?

    Espero que os próximos nomeados voluntários para fazer os relatos dos meetups não se desmotivem pelos comentários feitos nos últimos meses e pensem que estão a contribuir para manter a tradição viva. 🙂

    Em relação à minha experiência neste último meetup, foi mais fraquita porque eu já estava em ‘estágio’ para a caminhada do fim de semana que se seguia e apenas cumprimentei o pessoal, bebi uma bejeca e recebi a tenda do Claudio que iria levar para dormir ao relento na noite seguinte.

    Que venha o próximo meetup e que o mesmo seja um sucesso com têm sido até agora. 🙂

  • 3 Mtrevas // Jun 26, 2008 at 04:03

    Soberbo este relato do 57º meetup de Lisboa (o 1º que falhei desde que me iniciei no Geocaching)… quem escreveu está convocado para escrever os relatos das próximas 57 edições… que tal?
    Já agora, porque é que os relatos da Geofrancesinha também não são colocados aqui como artigo? Deixo a sugestão!

    Boas cacheadas!

  • 4 Prodrive // Jun 26, 2008 at 05:23

    Finalmente um excelente relato sobre os GeoMeetUps, quiçá bem melhor que o próprio Evento :mrgreen:

  • 5 Nuno_ka // Jun 26, 2008 at 10:32

    Depois deste relatório exaustivo, do último meetup, fiquei com mais curiosidade para ir aos próximos.

    Até lá, boas cachadas

  • 6 truta // Jun 26, 2008 at 13:39

    Belo relato!
    Só não gostei de saber que por ter chegado atrasado perdi os caracóis, as entremeadas, os coiratos, etc. 😉

  • 7 strangedays // Jun 27, 2008 at 02:20

    Olá, ainda bem que gostaram porque me deu muito gozo escrever, ficou a léguas dos diálogos sarcásticos,alucinados mas muito humorísticos que por vezes leio no fórum. Quase apetece concluir, há um produtor fictício dentro de cada um nós :mrgreen: .
    Dá para notar que naquela noite apetecia-me mesmo um ménu diferente 😕 ?
    Espero ter contribuído para que nos Meetups apareça cada vez mais gente nova. São eles o futuro deste jogo. Os mais antigos deverão, por esta altura, sentir um imenso orgulho pelo contributo que deram no tremendo sucesso desta actividade. Obrigado por acreditarem.
    Quanto à amável oferta e gentil patrocínio do Mtrevas…já contribuí 😎 , não obrigado, NO NUKES!

  • 8 timearth // Jun 28, 2008 at 14:06

    o Luis de Camões que se cuide que os Lusiadas ja eram 😛
    strangedays vou encomendar-te um versão mais moderna,que pode começar por

    “as geocoins e os tb assinalados
    que das ocidentais caches lusitanas
    partiram por caminhos nunca antes palmihlados
    passaram ainda alem das fronteiras humanas”

    mangas é só continuares um grande abraço,queres vir até ao geres

  • 9 Bringer // Jul 8, 2008 at 13:33

    Excelente relato João! Provavelmente dos melhores que já foi feito em relação aos Meetups! Agora vê lá se continuas a aparecer por lá. 🙂

Leave a Comment


Geocaching@PT 2008 · Powered by WordPress
Disclaimer · Contact Form
Stats: 35 queries in 0.105 seconds.