ajsa @ geo-queda / geo-freefall

ajsa - 2010/10/02

A aventura começou pouco tempo depois da publicação deste evento. Na altura, quando li a listagem, pensei para com os meus botões “até eras gajo para alinhar numa coisa destas, não eras?”.IMG 5316

Na verdade, quem me conhece sabe que eu tenho a plena noção que nasci com asas mas que rapidamente caíram ao fim de poucos dias de vida e não sou dado a grandes altitudes sem sentir que estou em segurança.
Necessitava de duas coisas, o apoio da minha querida Golfinha e ultrapassar a minha forma manhosa de acrofobia que em boa verdade nem isto chega a ser.

Peguei no telefone e fiz o primeiro convite…
– Então pá, estás bom… Olha lá, tu não alinhavas comigo no evento de salto tandem?
-Oh pá, não sei se tenho medo (…) vou ver como está a disponibilidade profissional e já te digo qualquer coisa.

Boa, sabia que o meu amigo iria alinhar comigo nesta aventura. Tudo perfeito, vou perguntar se o meu calvário de hérnias discais é problemático ou não e se não for, aí vou eu.

Entretanto fomos de férias, e de vez em quando a minha mente atraiçoava-me levando-me até 4200 metros a ponto de sentir alguns calafrios momentâneos e uma estranha sensação na barriga como quem está apaixonado e decidiu que nesse dia se iria declarar à sua amada. Ao longo destes dias sentia um misto de desejo que as hérnias fossem um impeditivo mas por outro lado, talvez o meu lado lunar, dizia que queria mesmo experimentar esta assombrosa sensação.

Chegados de férias, logo após pousar as malas, a primeira coisa que procurei foi um mail do Peter! Com o resultado da minha questão. Olho para o cabeçalho e eis que surge novamente o nervoso miudinho:

“[…]Penso que não há problema…mas depende muito da gravidade das mesmas! Se consegue fazer uma vida normal…pode saltar…mas se estiver muito limitado…ou no meio de uma crise…é melhor não[…]”, respondia a mensagem. Neste momento experimento uma enorme sensação de ansiedade, agora deixara de ter desculpa. PORREIRO! [:)] PORRA! [:(]

Segunda-feira, faltam cinco dias para o salto… Boa, as previsões meteorológicas não são favoráveis. [:)], mas… eu até queria saltar[:(]. Com o aproximar dos dias, as sensações de ansiedade cresciam e os períodos de nervosismos eram cada vez maiores.

É a noite de véspera do salto. Nesse dia tinha acordado muito cedo por volta das 6:00 e estava um pouco com sono. Sentia-me tranquilo e todo o nervosismo e ansiedade que me vinha a acompanhar desapareceu como que por um acto de magia. Acredito que o meu cérebro se convenceu que nada de especial se tratava. NADA MAIS ERRADO!

00:17 Acordo, olho para o relógio e… O QUÊ???? Não pode ser.
00:42 Abro os olhos ao fim de dezenas voltas e mais voltas na cama acompanhadas com arrepios e suores.
01:12 Não, isto não pode estar a acontecer. Levanto-me e vou beber um copo de leite. Dizem que é um bom calmante para as insónias. Encosto-me à janela e fico a olhar para as luzes que brilham na aldeia a 2 kms de distância. A noite estava linda e as estrelas eram perfeitamente visíveis. Tudo apontava para um evento com um belo dia de sol. Deitei-me novamente e tentei dormir.
01:40 Os sonhos, se é que disso se trata, voltam a incomodar o descanso e não tenho alternativa senão estar desperto. Acendo a televisão no Discovery e o programa veio mesmo a calhar para a ocasião “Desastres Aéreos”. Em Los Angeles, um Douglas DC-9-32 da Aeroméxico chocou com uma pequena aeronave, um Piper Archer, caído num bairro de LA. Não houve sobreviventes num total de 82 mortos dos quais 15 pessoas estavam nas suas casas em terra. Lembrei-me de imediato do recente acidente no bairro de Almeirim mesmo ali ao lado do aeródromo de Évora.
03:27 Desligo a televisão. Tinha de acalmar. Isto estava a ser pior do que imaginava. Pego numa revista e começo a ler até que acabo por adormecer com maior tranquilidade.

Ao longo da noite e até ao momento de acordar definitivamente às 06:14, várias foram as vezes que abri os olhos para ver as horas. A ansiedade estava no máximo.

De manhã, já a caminho de Évora, a sensação de nervosismo começou a aumentar num vai e vem como quem esteja a sofrer as contracções de maternidade, não que já tenha tido um filho, mas pelo que ouço falar imagino que seja assim.

10:15 Chegamos ao aeródromo exactamente na altura que outras pessoas caiam também de pára-quedas. Uauh, ouve-se um suspiro colectivo! De facto a imagem era mesmo extraordinária. A vontade de saltar cresceu mas com ela também o nervosismo miudinho.

Chegamos ao local, apresentamo-nos aos geocachers que ainda não conhecíamos pessoalmente, entre eles o Peter!, um dos organizadores do evento e pusemo-nos à conversa com a rapaziada e outros geocachers que iam chegando que até acabou por dar uma enorme ajuda a dissipar toda a ansiedade que continuava a fazer-me umas visitinhas, muito embora agora já com menos frequência. Alguns momentos depois fomos receber uns bravos que acabaram de saltar entre eles uma senhora de 70 anos que acabara de receber do marido como prenda de aniversário de casamento, um salto tandem. 0IMG 5302

Que magnifico, que coragem!

Assim que a senhora chega a terra, salta de alegria com abraços contagiantes. De facto, nunca tinha assistido a tal demonstração de coragem e alegria. Fiquei rendido, afinal os meus receios não faziam qualquer sentido e aquela senhora acabara de me ensinar uma boa lição.

Pouco tempo depois somos chamados para o briefing onde, para além de vestir o fato-macaco e colocar o arnês, foram dadas informações bem interessantes de como tudo se iria proceder. Desde informações tranquilizantes que indicam que a segurança está acima de tudo até pequenas instruções dos procedimentos a tomar desde a entrada no avião até que cheguemos a terra. Apresentados aos nossos instrutores individuais, foi tempo de, após alguns ajustes do equipamento aguardar pelo avião e então embarcar para a aventura.

Fiquei deveras impressionado com toda a camaradagem que se vive entre os instrutores e todas as pessoas envolvidas no nosso salto que até contava com uma camerawoman.0IMG 5307

Conforme o avião ganha altura, também o nervosismo começa a aumentar de forma estonteante, afinal o momento estava a chegar. Um pouco antes do meu salto, o primeiro do grupo, era a vez de um muggle também dar o seu salto a uma altitude inferior aos nossos 4200 metros (14 000 pés, como é conhecido pelos técnicos da área). O avião reduz a velocidade, a porta é aberta, um plástico preso com algumas barras de alumínio, e o muggle desaparece dos meus olhos num ápice – ARREPIANTE!

Porra, o próximo sou eu, tento rir puxado pelo instrutor e pelo cameramen, mas na verdade aquela imagem não me saía da memória (ainda agora, neste momento que escrevo vejo esta imagem). Alguns minutos depois, já com todas as verificações de segurança executadas, o avião perde novamente velocidade e… Chegou a vez!

Desloco-me de rastos numa posição sentada até à porta do avião já aberta. Neste momento já não estava no meu controlo, estava a ser controlado, o meu instrutor dizia-me: “Olha para o Ventura e ri, é agora… Sim é agora, é tempo de sair.”
Coloco os pés fora do avião e, tal como me foi indicado, tento tocar com os calcanhares na fuselagem exterior do avião – neste momento estou literalmente no abismo todo fora do avião preso exclusivamente com quatro mosquetões ao meu instrutor. O meu pensamento interrogava “A qualquer momento vai ser…” mas bem antes de terminar o pensamento sinto-me em queda livre projectado dum avião a 110 kms à hora a 4200 metros de altitude!

Por alguns segundos experimento algo nunca antes sentido, para mim o expoente máximo de radicalismo, tal que não me consigo conter e largo um enorme e continuo grito:

UUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
AAAAAAAAAAUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH

0IMG 53130IMG 5320IMG 5337

Magnífico, espectacular, do melhor…..

As sensações são tantas e tão rápidas que mal se tem tempo para as experimentar como se gostaria. Num segundo e numa manobra que observei na televisão, sinto que estou a dar rodopios, fantástico. Nesta altura sinto o instrutor a tocar-me na cabeça como que a dar um sinal, o meu cameramen vinha ao longe mas em grande velocidade ter comigo, mas com aqueles rodopios mal o conseguia fitar. Tão depressa o via à minha frente como de seguida desaparecia do meu campo de visão e novamente o voltava a ver e outra vez desaparecia e assim sucessivamente vezes sem conta até que num movimento de “travagem” páro mesmo em frente a ele. Que fantástico!

0IMG 5328

Uns momentos depois e é tempo de outra fantástica sensação, é altura de abrir o pára-quedas e experimentar gravidade zero prolongada. UAUUUUUU!

Foi a partir deste momento que todo o ruído da velocidade que trazia anteriormente deu lugar a um silêncio celestial. Só eu e o instrutor. Como era possível?!

Pensava eu que dali e até chegar a terra seria aquele silêncio perturbado pela nossa conversa mas nada disso – “António, enjoa com facilidade?”, perguntou o instrutor.

– Não… e UUUUUUUAAAAAUUUUUU começa novamente a adrenalina, o pára-quedas estava em queda com movimentos circulares sobre o seu próprio eixo mas com uma velocidade bem mais acentuada. Qual montanha russa, qual carapuça? Não há forma para descrever fielmente as sensações, fenomenal!

0IMG 53340IMG 53460IMG 5356IMG 5374

Bem próximos de terra, é altura de ensaiar a chega ao solo. Eu gritava de alegria por todo o lado, fantástico.

0IMG 5377

 

Muito pouco tempo após a saída do avião, chegamos a terra. Estava eufórico, estava em transe de alegria. Ultrapassei os meus medos, sentia-me ainda mais seguro de mim do que já sentia, se eu já possuía até este momento uma excelente auto-estima, agora ela bateu no topo e confesso que o meu ego sorriu de orelha a orelha.

No final, fica mesmo o desejo e promessa de repetir mas antes tenho mesmo de dar os sinceros parabéns aos organizadores do evento, BTT e Peter!, pela ousadia em levar para a frente este projecto, por me terem oferecido esta excelente oportunidade. Agradeço ainda ao meu instrutor, o Fredy, pela experiência que me proporcionou – sinto-me um privilegiado, ao Ventura, o meu cameramen, por perpetuar a minha experiência radical e à minha amada esposa, a Golfinha, pelo apoio e confiança que me deu! Não posso deixar de agradecer aos meus companheiros e amigos de salto, pelos excelentes momentos.

 

 

A todos vós, Muito Obrigado! Bem Hajam!

0IMG 5389

1 response so far ↓

  • 1 alieri // Oct 2, 2010 at 11:00

    Fantástico log. E com as tuas fotos ainda ficou melhor. Obrigado, António.
    Quando saltamos outra vez?

Leave a Comment


Geocaching@PT 2008 · Powered by WordPress
Disclaimer · Contact Form
Stats: 35 queries in 0.143 seconds.