Rifkindsss GTT 4

rifkind - 2013/08/18

Hoje foi dia de visitar o canto mais remoto de Tenerife. Um local tão remoto que chegou a ter uns caixões de prevenção, não fosse morrer alguém e o corpo degradar-se à espera que o fossem buscar.

Por estrada demorámos realmente a lá chegar, mas valeu bem a pena! O cenário é excelente! Fizemos um percurso a pé, ao nosso ritmo, cerca de 120 fotos por hora.

Os cerca de 8kms são temperados com uns 780m de subidas e outro tanto de descidas. Para a nossa curta preparação física, já dói! Claro que isso torna o desafio ainda mais interessante. Pelo meio, as paisagens são deslumbrantes. Verde vegetação, azul mar e todas as cores da rocha vulcânica que poucas vezes se faz rogada no uso da palette.

O nosso objectivo era chegar ao farol de Anaga e claro, regressar. No ponto mais alto, uma árvore Yucca resiste e prospera num dos pontos mais expostos. Ali, o mundo está literalmente a seus pés. Dali até ao farol, é sempre a descer, com vista para o mar. Foi no farol que fizemos uma pausa para um petisco.

Repostas as reservas, descemos até à praia, onde vimos pela primeira vez a areia de Tenerife, fina, negra e rara. Apreciámos a paisagem e o lugar com a ansiedade de quem ainda tinha de fazer o percurso de regresso. Fizemo-lo, na mesma velocidade com que viemos e foi com alívio que nos sentámos no carro.

4_9DA7FD63-FE44-4383-B771-649B6B7081C7

Foi um desafio que nos soube muito bem! Para o regresso, fizemos mais algumas paragens, a melhor das quais foi no Hostel Montes de Anaga. Vista soberba, que até tornou o café suportável.

Um sítio fantástico para caminhantes e caminhadas.

0 responses so far ↓

  • There are no comments yet...

Leave a Comment


Geocaching@PT 2008 · Powered by WordPress
Disclaimer · Contact Form
Stats: 35 queries in 0.125 seconds.