Entries from April 2005

EARTHCACHES

danieloliveira - 2005/04/29

Surgiu agora a primeira earthcache em Portugal. Para aqueles que não conhecem esta vertente de caches virtuais do geocaching façam uma visita a http://www.earthcache.org/

No entanto espero que pelo menos leiam a descrição da cache em http://www.geocaching.com/seek/cache_details.aspx?guid=cdd42dcb-59b7-478e-8aee-fe803197181f


Acer N35 com GPS

HDV - 2005/04/26

<img src="http://www.telemoveis.com/imagebank//models_small/acer-n35.jpg&quot; width="60" height="67" hspace="5" vspace="5" align="left">Como recém iniciado «ca(i)cheiro» quero usar a minha primeira intervenção neste sítio primeiro para agradecer a todos os que tiverem a bondade de «semear», país fora, as caches que, com grande prazer, tenho vindo a procurar e, segundo, para chamar a vossa atenção para <a href="http://www.telemoveis.com/reviews/itembymodel.asp?ID=1345&quot; target="_blank" alt="clique aqui para ler o review (nova página)"><b>este <i>review</i> ao Acer N35 >></b></a> (PDA com GPS a preço módico). Espero que achem a informação relevante.


Já que estamos numa de publicidade

GlorfindelPT - 2005/04/23

Aproveito para referir que já coloquei uma cache onde vos proponho algo diferente. Como a corrida de TBs parece estar atrasada, resolvi deixar aos geocachers da zona de Lisboa ou que estejam cá de passagem uma corrida mais real.

Na minha próxima cache, colocada hoje, mas ainda não aprovada deixei uma prenda especial para o primeiro que a encontrar.

A prenda é algo indispensável na mochila de qualquer geocacher e que certamente será muito útil em várias caches (não, não é um GPS!!!). Não é nada de tremendamente valioso mas é sem dúvida útil!

Mas não esperem que a prenda esteja simplesmente na cache. Está nas redondezas e pode ser encontrada por força bruta (procurem tudo!!!) ou por força mental já que deixei uma pista escrita dentro da cache. Peço só a quem encontrar a minha prenda especial que retire a pista da cache.

E que ganhe… bem não vou dizer o melhor… mas pelo menos o mais rápido. Agora que estão avisados vou submeter a cache para aprovação.


Estes publicitários são uns exagerados

2 Cotas - 2005/04/21

Esta mania de utilizar esta forma para publicitar as caches tem de acabar. É preciso respeitar as regras e acabar com esta forma de autoprodução. Ámen.

Dito isto, queria informar vossas excelências de que acabei de colocar uma cachezita, mais doravante conhecida como GCNJ0J – JêCêÉneJótaZeroJóta . Nada de terreno difícil, bastante acessível e pratica. Perto há mesas e cadeiras, onde podem sentar-se e pensar. Pensar. Pensar.
Solicito porem que se me rogarem pragas o façam em voz baixa, o lugar é publico e o decoro bem vindo. Eventualmente poderão utilizar os bancos para fazer o log, mas será pouco provável…

O stock inicial é composto por mapas. De Portugal, (publicados pelo ACP), da Região de Lisboa e da cidade, (do Turismo de Lisboa). Podem trocar por outros exemplares do mesmo tipo. Os que lá estão são todos actuais. Existem tb Cd’s com imagens HR de Lisboa. Pretende-se fazer trocas por outros exemplares diferentes.

Quem já conhece o local, pode levar a família e utiliza-la como “punching bag”.
Para os outros, tenham em atenção que o local tem horários, vedações, guardas e regras.
A única coisa permitida é, tal como tem acontecido, proporcionar aos homens alguns momentos bem divertidos. Eles gostam.

Só uma ajudita, os que já me conhecem, sabem que é difícil, mas não impossivel, eu fazer duas caches iguais. Para os outros… seja o que theus quiser.


Viva a todos

tagalex - 2005/04/20

Sou novo nisto. GPS apenas há uma semana.

Para começar alguêm me pode indicar uma cache simples em Monsanto. Será a primeira e vou levar o meu filho, pelo que agradeço uma simples.

Saúde para todos


Nova no Norte

saltafronteiras - 2005/04/20

Porque já há mais, mas ainda há poucas, aqui vai uma nova cache:

http://www.geocaching.com/seek/cache_details.aspx?wp=GCNGJQ


18º Meetup(???) 2005-04-08

justaskwhy - 2005/04/15

Como caloiros calhou-nos a nós a ‘bonita’ tarefa de escrever este artigo…
Já chegámos um pouco tarde e, assim que chegámos, informaram-nos que seriamos nós a redigir este texto, mesmo antes do grupo nos ser apresentado (tal era a vontade de se livrarem do trabalho)…
Estavam lá presentes rifkind & rifkinda (que nos introduziram no ‘jogo’), ppinheiro & Gabriela, clcortez, mca, 2 cotas e mais tarde chegaram os porteladas.
Como não podia deixar de ser, grande parte das conversas giravam à volta de caches e GPS’s, também se falou numa possível compra conjunta de TB’s.
À medida que os pratos iam aparecendo na mesa, também apareciam GPS’s, máquinas fotográficas, ipod’s, telemóvel e até portáteis, para não falar de palm top’s (mas, segundo nos constou, nada como no anterior em que estavam montes de portáteis ligados em rede a aceder à net por uma única ligação).
Falou-se de informática, de como era possível ter Messenger no interior da PT e o rifkind até tirou discos rígidos antigos de um pequeno saco de plástico…
Um outro assunto abordado foi: ‘Calções de lycra sem roupa interior, usar ou não usar?’ (quem lá esteve, sabe do que falamos).
Por entre uma conversa sobre uma ‘plica’ que não devíamos ter ouvido (porque ainda não tínhamos encontrado a dita cache),  ficámos a saber que alguém, num golpe de génio, tinha praticamente desmontado o sistema de rega lá do sítio…
Falou-se do CITO, embora ainda não houvessem muitas certezas em relação ao que se iria fazer…
Resumidamente, deu para por as conversas em dia…
Depois do jantar, combinou-se uma caça aos ‘miradouros’…
Podemos dizer que houve uma certa falta de sincronismo, ou seja, conseguíamos chegar ao local sempre depois do resto do grupo…

Ficamos à espera do próximo… e de preferência que sejam outros a fazer a ‘acta’…

Iremos por online fotos do evento, não sabemos ainda quando…

Cra & Why


Um domingo no Centro…

- 2005/04/14

Bom isto de levantar às cinco da manhã a um Domingo, para percorrer umas centenas de quilómetros, só mesmo para fazer Geocaching.

Desta vez conseguimos arrastar connosco um “geoateu”, o Luís Mendes, que depois de grandes conversas lá conseguimos “enganar”. Não que o geocaching fosse novidade para ele, porque já o tinha-mos arrastado connosco quando colocámos as caches nas Linhas de Torres. “… – Ah e tal eu gostava era de ir à procura de uma cache, e tal…”, “… pimba, já está. Vamos levar o gajo à Epigenia do Ceira…”, estão a ver o nosso sorrizinho malandro… O rapaz vai ter cá um baptismo…

Seis em ponto e lá estávamos nós a arrancar. Pequeno almoço pelo caminho, tinha-mos combinado parar em Cabaços a meio do caminho da Senhora da Candosa, mas qual quê, estava tudo fechado, e para “matar o bicho”, tarefa que estava quase a transformar-se numa cache virtual que só ficou resolvida quando tivemos de fazer um desvio devido a obras na estrada por onde seguia-mos, lá demos com um café aberto.

Depois de repostas convenientemente as reservas energéticas avançámos para a Epigenia do Ceira. Seguimos a sugestão da descrição da cache e fomos confrontados com a paisagem do miradouro da Senhora da Candosa  ficámos deslumbrados com o cenário que nos era oferecido pelo traçado rasgado na rocha pelo serpentear do rio.
Fotos da praxe, e ala que se faz tarde direitinhos ao local da coordenada.

Não vos descrevo em pormenor o local para não vos retirar o prazer que tivemos quando chegámos ao local, simplesmente estrondoso.
A cache está mesmo à maneira, principalmente a parte do túnel que aconselhamos a percorrerem. Já lá estava uma “ferramenta” auxiliar que deu muito jeito, e mais não digo para não estragar o vosso passeio quando lá forem.

Log feito e regresso pelo mesmo caminho, (algo que já aprendemos, embora a muito custo, a nossa exploração em Half a Moutain, gravou-se na nossa memória, depois de termos subido pela pedreira e descido por outro lado em linha recta, que nos levou mais do dobro do tempo, calças rasgadas, saltos em comprimento, extensão e queda no meio de vegetação serrada).

Depois desta maravilhosa experiência, constatámos outro facto também curioso do Geocaching, – O caminho mais curto entre dois pontos não é uma linha recta – a cache OuohhmmmOuohhmmmm que era já ali, revelou-se mais longínqua por causa do serpentear das estradas da Serra, mas depois tudo se compõem quando encontramos o local da primeira micro e o jogo recomeça.

Esta cache está muito bem estruturada (“trabalhinho profissional”), muito bem concebida e a tarefa final da cache deixa o pessoal a pensar um bocadinho, não antes sem nos virem há memória outras caches dos 2 Cotas e alguém exclamar -…Epá isto é do 2 Cotas procurem por coisas estranhas… Só espero que tenhamos percebido a mensagem e que a nossa foto retrate o objectivo da tarefa final.

Já havia rumores estomacais, mas o bichinho da caçada ainda era mais forte do que a fome e lá fomos nós direitos a Amoisinho, Aíaí…estou que nem posso. Por acaso entrámos na estrada certa para chegar à cache e apesar dos avisos e com a ajuda do Luís que conhece toda aquela zona entramos em Amoisinho e de facto o cenário é tal e qual o descrito na cache. O progresso ainda vem longe, no entanto já se notam algumas mudanças, mas as casas em pedra e toda a envolvência da localidade deixam  um tipo da cidade boquiaberto pela beleza do local.

A cache está para ali, …não pode… não é mesmo para ali. Finalmente de-mos com ela e percebemos a dica das ferramentas, invólucro muito original, mas ainda não percebemos porque é que o conteúdo estava todo húmido, e pareceu-nos que até a tampa vedava bem, não tinha-mos a noção do tamanho da cache e não pudemos substituir o logbook que esta um bocado embolorado, e devido à humidade não permite grandes escritas.

Após isto então sim, hora dos morfos, piquenicámos numa barragem em Vilar, sitio que nos impressionou pela cota mesmo muito baixa do nível da água.
O local tem excelentes condições para fazer um piquenique, mesas em granito, sitio para fazer lume, água canalizada, local para depositar lixo, em suma bom sitio para uma patuscada.
Depois da refeição ainda houve tempo para explorar as ruínas de uma aldeia que ficou submersa pelas águas da barragem. Estão perfeitamente conservados vários muros e algumas paredes de casas e houve um em particular que despertou a atenção e que está em muito bom estado de conservação e que me pareceu uma espécie de forno colectivo.
Só faltava um café e isso foi resolvido em Amoreira, num daqueles cafés de aldeia e que nos surpreende com a quantidade de artigos à venda para além dos normais de um café.

Outra cache que estava na calha para a nossa deslocação era a Água e o Gelo, onde perdemos algum tempo para ir de Amoreira para Coentral, porque enveredamos por um atalho que nos levou algum tempo a percorrer porque a estrada estava em péssimo estado e fizemos uns quantos quilómetros mesmo muito devagar e a serpentear entre buracos, buraquinhos e crateras, mas lá chegamos a Coentral sem perder o resguardo do carter do VW Bora. Ainda não tinha, porém acabado o sofrimento do cachemobil, pois mais um percurso manhoso era preciso fazer. O local da micro está num lugar que tem uma paisagem bem vistosa, e gostámos de conhecer a história dos primórdios dos frigoríficos portugueses. Não deixa de nos impressionar o trabalho que dava fazer chegar gelo a Lisboa noutras eras.
Mas o melhor estava para vir a parte final da cache deixou-nos realmente maravilhados, as cascatas de águas límpidas e a beleza do locar foi deveras uma agradável surpresa.
Não queria deixar de referir um aviso a quem visitar o local, não facilitem, uma pequena distracção e pode acontecer um acidente com maior ou menor gravidade.
Já depois de termos feito o log da cache ao regressar ao carro, houve uma escorregadela numa rocha, uns passitos de ballet, noutra rocha, mais uma cena de equilibrismo e pimba… homem ao mar… ou melhor geocacher na ribeira. Após muda de roupa, uma torcedela de calças para tirar a maior parte da água e verificada a ausência de mazelas, tirando o orgulho ferido do “geomergulhador”, isto tudo regado com umas gargalhadas valentes daquelas que até fazem doer os abdominais, rumamos ao carro e depois de verificarmos as horas e decidirmos que não iria-mos a Louzan. Estava-mos ali tão perto…

Desculpem lá a extensão da prosa, mas foi um dia mesmo bem passado que não queria deixar de testemunhar as maravilhas que o geocaching nos proporciona.


o que comprar?

sandrobernardo - 2005/04/12

Antes de mais quero pedir desculpa por estar a colocar uma questão várias vezes repetidas pelos novos membros, mas é que andar a ler tudo para ver o que se enquadra com a nossa duvida, por veses é um bocadinho aborrecido!!!
Sei (por alguns tópicos que tenho lido)que há determinadas coisas que se devem adquirir aqundo da compra do aparelho GPS, pois fica mais barato do que se quiser comprar depois. O que vos pergunto é o quê, concretamente? Já que vou encomendar o meu aparelho esta semana, aproveitava e encomendava tudo!!!
Obrigado a todos…


Aldeias históricas

danieloliveira - 2005/04/08

No dia 28 do corrente mês vai ser emitida pelos CTT uma série de 12 selos de 0.30€ alusivo às aldeias históricas de Portugal.  Como existem duas caches escondiadas em duas destas aldeias (Piódão e Castelo Novo) achei que algum de vós poderia estar interessado na ligação filatelia-Aldeia Histórica-Geocaching. Sei também que o nosso colega MAntunes tem uma ideia engraçada de interligar as aldeias históricas ao geocaching e lanço-lhe aqui o desafia de expor as suas ideias e quem sabe?



Geocaching@PT 2008 · Powered by WordPress
Disclaimer · Contact Form
Stats: 47 queries in 0.805 seconds.